Na nossa amada dança do ventre

By SS Martinelli - sexta-feira, janeiro 21, 2011

Não é toa que na dança do ventre pipocam professoras e mais professoras a cada segundo. Em qualquer outra forma de arte, a técnica em ensinar, o conteúdo histórico pesquisado, o tempo de aprendizado, os cursos de aperfeiçoamentos, os cursos técnicos, o que está pessoa pensa, o modo como ela encara a arte contam mais que qualquer coisa, na verdade são eles que ditam o nível do profissional.

Na nossa amada dança do ventre, nada disso importa, se a fulana de tal dança bem, pronto tá feito pode ser professora e melhor ainda se ela for cria de algum chá, aí então não tem conversa ela já  tem garantido um certificado pré-aprovado e declarado de que ela é boa, não importa seu conteúdo, não importa se ela fez ou não especialização para ser professora, se ela estudou ou não a psicologia feminina,  se ela pesquisou ou não sobre as raízes da dança, não importa seu conteúdo, o que importa é que ela dança bem. Vou ser ainda mais ranzinza e dizer que as vezes nem isso ela faz, as vezes ela só tem nome ou mesmo só tem Q.I (quem indica).

Sim eu sei que dançar bem é tudo, mas nem sempre um grande pintor sabe ensinar como pintar. A dança do ventre pode e deve estar no mesmo patamar do balé, do jazz, do flamenco, ela deve e pode ser levada a sério,  para isso,  as aprendizes devem deixar de lado o estrelismo, devem parar de consumir qualquer coisa, devem buscar o aprendizado não pelo olhos e sim pela cabeça;  As escolas, clubes, academias devem parar de procurar profissonais pelo nome, devem sempre  pedir seu curriculo,  avaliar seu conteúdo,  checar o que esta professora fez ou está fazendo na área, saber como ela encara a dança e para radicalizar eu escrevo e digo que toda professora de dança do ventre deveria fazer um teste psicológico antes de ser admitida... A nós, cabe estudar, aperfeiçoar, pesquisar, cabe a nós também deixar um pouco de lado o cabresto e procurar no mercado profissionais fora da faixa ditatorial comercial que existe aqui.
 Olhe para o lado, troque a suposta fama por autêntico conhecimento.... Cabe á nós mudarmos o olhar sobre a tão falada dança do ventre!


  • Share:

You Might Also Like

9 Ebulições

  1. Oi, concordo plenamente, principalmente com a parte de que algumas pessoas tem mais nome do que dança, várias eu já procurei vídeos de bailarinas famosas e depois me perguntei o que fazia elas serem tão famosas assim se dançavam razoavelmente bem.

    ResponderExcluir
  2. Oieee! O tema do seu post é algo que realmente preocupa quem trabalha sério com a DV... acredito que é necessário todo mundo fazer a distinção do mercado comercial DE DANÇA, do mercado de APRENDIZADO DE DANÇA. Estes dois mercados podem conversar ou não - uma super bailarina pode ser uma super professora - mas, ser uma super bailarina comercial, com certeza, não a qualifica como boa professora!!!
    beijos beijos
    Rhazi

    ResponderExcluir
  3. Oi Rhazi tdo bem?

    Vc está coberta de razão temos que distinguir o mercado de dança (shows, apresentações, etc.) do aprendizado de dança, isso é um grande passo que poderia mudar os moldes da dança.

    Obrigada por comentar ;)

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Anônimo22.1.11

    Uma bailarina ruim pode ser uma boa professora? Ou ainda, pode ser professora sem ser bailarina?

    ResponderExcluir
  5. Olá, concordo plenamente! Faço dança do ventre há dois anos em Portugal e sinto que ainda tenho MUITO para aprender. No entanto, vejo muitos vídeos de bailarinas que dançam há 1 ano ou menos e já dão aulas, apesar da óbvia falta de experiência e conhecimentos da dança. Professoras más dão origem a más alunas. Elas ensinam, por vezes mal, os movimentos da dança mas esquecem-se de ensinar a sua história, o que ela significa e acima de tudo, o respeito por esta forma de arte. Já presenciei casos de pessoas que diziam que a dança do ventre servia para seduzir os homens e que fora a professora que lhes ensinara isso. Isto acontece porque, infelizmente, a dança do ventre ainda não é vista ao nível de um ballet ou de uma dança contemporânea (pelo menos aqui em Portugal) e qualquer pessoa sem a mínima formação pode dar aulas, o que me entristece bastante. Temos de continuar a lutar para que ela se torne numa dança respeitada, como ela merece.

    Ana Domingos,
    www.amo-osanimais.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Anônimo, vc pode contestar meus posts sempre que quiser, não precisa ser anônimo, um dos objetivos desse blog é a discussão.

    Quanto a sua pergunta, um técnico de futebol precisa ser um Pelé para treinar um time vencedor? Claro que não, no meu ponto de vista, uma bailarina mediana pode ser sim uma ótima professora... quanto a segunda pergunta não há como ensinar dança sem ser bailarina, ou sem ter vivênciado o que é ser bailarina...

    Meu questionamento não é ser ou não bailarina, é o rótulo de que uma ótima bailarina é uma ótima professora, isso não é verdade.

    bjs

    ResponderExcluir
  7. camila31.1.11

    concordo que deva se pedir curriculo, e conhecer um pouco a bailarina que se está contratando. Todo cuidado é pouco.. Se vc nao faz isso acaba contratando a primeira picareta que aparece.e o que tem de picareta por ai.. affe
    a Casa de cha não é sinonimo de excelencia, mas com certeza as melhores bailarinas estão la, não podemos generalizar...

    ResponderExcluir
  8. Anônimo5.5.11

    Vou ficar em anonimato porque caso minhas professoras vejam meu comentário não saibam identificar que são elas.

    Mas então:
    Comecei na dança a pouquíssimo tempo, cerca de 3 meses. Entrei na escola por indicação de uma amiga que falou que tal professora era bem reconhecida na dança. Ela tem padrão e tudo mais, acredito que minha amiga a indicou por isso. Adorei a primeira aula e quis fazer dança duas vezes pro semana. Entretanto essa prof. não dá aula todo dia então peguei outro professora em outro dia.

    A diferença é grande demais! A famosa é muito boa no que faz, você nota isso em aula. Ela tem técnica, dá aulas para profissionalização, etc. Mas não dá. A aula da outra professora é melhor para mim (pode não ser para todas). Acredito que a prof. famosa tenha uma idéia de dança do ventre e de como ela deve ser ensinada, mas que não funcionou comigo (e pelo o que eu ouço lá na escola ninguém gosta muito mesmo mas respeita mt seu trabalho).

    A aula da famosa é "me segue". Ela põe a música e a gente tenta imitar ela. Em 3 meses de aula acho que ela só explicou os movimentos duas vezes. Ela vê que a gente tá fazendo errado e não corrige (até pq a turma é meio cheia mas não tanto que não dê para ela corrigir), ela só corrige se for algo desastroso mesmo. Mas eu vejo que a minha postura e a do resto tá errado, etc...Nesse tempo todo só ensinou 1 movimento (que claro que ainda tem gente errando pq ela não corrige direito) 8 horizontal.

    A outra não famosa não. Ela ensina os passos, corrige o tempo todo nossa postura, explica o que tá acontecendo de errado. Já ensinou diversos passos. É claro que não meço qualidade pela quantidade de passos, não é disso que se trata.

    Eu adoro a prof famosa, ela é super gente boa, pretendo um dia voltar a ter aulas com ela, mas isso tem que ser no intermediário ou no avançado. Infelizmente abandonei suas aulas e estou só com a não famosa. As duas possuem o mesmo tempo de experiência de dança, mas a didática da não famosa funciona comigo e tbm com outras meninas que tem casos parecidos com o meu (tem aula com as duas - apesar delas não terem abandonado a outra)

    Enfim, como você disse uma bailarina mediana pode sim ser boa professora porque o que importa é ela ter visão, explicar de uma forma que inteligivel, corrigir seus alunos no que eles estiverem errando, ter paciência, carinho, é saber cuidar dos seus alunos, etc etc etc.

    Abs.

    ResponderExcluir
  9. Simone sei que o post é antigo mas só o li agora e preciso compartilhar com vc então um pensamento e lembrança que tive ao ler seu post! "Qualquer um que deseje ganhar para subsistência com o tratamento de pacientes nervosos deve ser claramente capaz de fazer algo para ajudá-los." Freud
    Penso no quanto isso serve para além do setting clínico ....
    Penso na responsabilidade de se trabalhar atuando no subjetivo do outro...e sim seria lindo que tais professoras ao menos fossem analisadas, cuidassem de seu psicológico...pq tem mta gente louca sim

    ResponderExcluir