A filosofia ocidental do movimento

By SS Martinelli - sábado, fevereiro 05, 2011

(...) No período pré-socrático (VI a.C), a principal preocupação da filosofia era obter uma explicação racional (logos) sobre os princípios que regem a natureza e também o homem como parte integrante dela. Os filósofos pré-socráticos viam o movimento não só como deslocamento de corpos no espaço, mas sobretudo como um fator de mudança da realidade, como fator de transformação.

Dois filósofos, em especial, tomaram posições opostas com relação ao movimento. Heráclito afirmava que só a mudança é real. Ele via o mundo em fluxo perpétuo, todas as coisas se transformando em seu contrário, nada permanecendo igual a si mesmo.

No lado oposto ao de Heráclito surge Parmênides, afirmando que a verdadeira essência da realidade é a permanência, a estabilidade, a imutabilidade. A mudança é mera aparência, ilusão dos sentidos, pois o logos é o ser, o qual não se submete à transformação. (...) Techo do livro "Corpo Poético" - Vera Lúcia Paes

P.S A história da filosofia grega foi toda permeada pelo esforço de encontrar respostas para esse dilema proposto por Heráclito e Parmênides.

 Tá mas o que isso tem a ver com a dança do ventre?  Se eu disser que tudo, você acredita?

A maneira como entendemos o movimento vai influênciar diretamente na maneira como iremos nos movimentar, iremos dançar. Se vc tem uma postura mais rigida como a de Parmênides todo movimento é imutável, tudo diferente da essência, não será considerado movimento e sim ilusão dos sentidos, seu corpo apenas irá dançar aquilo que é imutável. 

Nosso corpo se movimenta de acordo com o  aquilo que acreditamos. 

No Próximo post, filosofia oriental do movimento :)

  • Share:

You Might Also Like

0 Ebulições