Header Ads

Seo Services

Não se iluda, isso pode acontecer com qualquer uma!

Recebi esse video da minha amiga Moirah Akis,  assim que assisti fiquei chocada , mas depois com mais calma assisti de novo e por incrível que pareça eu tive a impressão que o homem, na verdade, está defendendo a mulher. 


Não é no Islam que somos oprimidas, maltratadas e descriminadas, tudo isso pode acontecer em qualquer lugar, com qualquer mulher e em qualquer tipo de fé. A religião não tem nada a ver com isso, ela pode ser só uma desculpa para justisficar a ignorância dos homens. 

Milhares e milhares de mulheres sofrem agressões diárias, nossa sociedade tem altos indices de violência contra a mulher, veja o caso do goleiro Bruno.  Não podemos ser ingênuas, temos que acordar e olhar a nossa volta. Você sabia que São Paulo foi o estado que teve, nos sete primeiros meses de ano, o maior registro de ligações no disque-denúcia  de violência contra a mulher?  Veja os dados

A luta pelos direitos da mulher começa dentro das nossas casas! Ligue e denúncie 180

Para saber mais sobre a Mulher e o Islam clique
Ongs em todo o Brasil que trabalham contra a violência da mulher - clique
Ong - Homens Unidos pelo fim da violência contra a mulher - clique

5 comentários:

  1. eu tambem tive essa impressao vendo outra vez!!!! .eu nao aguentei a forma como ele descrevia como o homem deve repreender a mulher isso me deixou muito brava !!! nao vi mais nada! .depois assisti com meu marido e ele falou o mesmo que voce !!! sao barbaridades no mundo todo !Temos de lutar sempre !!!
    beijos no coraçao!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo13.8.10

    Me desculpem, mas se ele estivesse realmente querendo defender mulheres, ele diria:

    NÃO BATAM EM SUAS ESPOSAS! NUNCA! EM HIPÓTESE ALGUMA!

    ou então:

    ESPOSAS, SE SEU MARIDO TE BATER, PEGUE UMA CADEIRA E QUEBRE NA CABEÇA DELE! É LEGÍTIMA DEFESA, NÃO É ERRADO SE DEFENDER DE ALGUÉM QUE TE AGRIDE.
    Simples.
    Ensinar como bater de forma que não marque ou machuque menos ou não traumatize os filhos e a gente ainda achar que isso é defesa, é uma prova que a violência contra a mulher está tão banalizada, que já chegam a preferir que o cara bata menos, já que a idéia de um homem não batendo em uma mulher se torna algo impossível

    ResponderExcluir
  3. Querido anônimo,

    É claro que ele diria para não bater em suas esposas, porém antes de julgar meu post, você tem avaliar a cultura onde esse video está inserido.

    Acredite você ou não, ele estava tentando defender a mulher sim... As agressões á mulheres muçulmanas além de serem horriveis e injustificaveis, são protegidas por lei, o marido tem o direito de bater na mulher caso ela faça algo considerado " pecado" , deixando as mulheres totalmente desprotegidas, lá não existe delegacia de defesa da mulher... Não há nada como se defender...

    Esse homem está tentando amenizar as agressões que via de fato irão acontecer.

    Não estou defendeu sua postura, só estou mostrando os fatos como eles realmente são, conheço várias bailarinas que dizem conhecer a cultura árabe, mas te digo, ninguém aqui conhece nada sobre os árabes - muçulmanos!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo13.8.10

    Me desculpe, mas ainda acho que são homens como esse, que aparecem na TV árabe que teria autoridade pra dizer aos homens não baterem em suas mulheres de maneira nenhuma e ser ouvido, ser seguido...
    Mas eles não fazem isso. Preferem apenas amenizar a situação. Não deixam de ser cúmplices dela. Bater palmas porque alguém ameniza uma situação na sua visão, quando poderia iniciar um discurso de realmente modificá-la, não altera quase nada.
    Vá estudar alguma luta marcial pra vc entender que talvez um golpe que não provoque sangramento ou nem quebre nada, como um chute no estômago, pode ser tão doloroso ou até mais doloroso que um murro no rosto que vá tirar sangue. Mas não marcou, nem quebrou nada, então pode, mas doeu talvez até mais.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo13.8.10

    Mas acho que fui um pouco rude. Então me desculpe mais uma vez. Discordo de você, mas compreendi o seu ponto de vista, apesar de não concordar com ele.

    ResponderExcluir